SENAI inaugura no RN único Instituto de Inovação da rede no Brasil voltado ao setor de energias renováveis

Foto: Divulgação

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), maior complexo de educação profissional da América Latina e detentor da maior rede de institutos privados do Brasil para Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) da indústria, inaugura oficialmente terça-feira (15), no Rio Grande do Norte, o único polo tecnológico e de pesquisas de ponta da rede no país voltado à energia eólica e solar: o Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis, o ISI-ER.

A cerimônia marca a conclusão das instalações e a operação plena dos laboratórios do Instituto, cujas atividades tiveram início e vêm acelerando em Natal, capital do estado, desde 2019.

O Rio Grande do Norte – escolhido como sede da unidade – é o maior produtor de energia eólica do Brasil e também o estado com a maior potência prevista para os próximos anos.

A expectativa com o ISI é atender a demandas que ajudam a impulsionar a competitividade da indústria não só local e nacional, uma vez que projetos e parcerias já estão em negociação com Instituições de países como Alemanha, Japão e Dinamarca.

“O ISI-ER chega para o SENAI como grande porta da inovação, da pesquisa, do futuro das energias renováveis, e traz às empresas oportunidades de novos negócios no setor”, diz o presidente do Conselho Regional do SENAI-RN e do Sistema FIERN – que engloba SENAI, SESI,IEL e Federação das Indústrias do estado – Amaro Sales de Araújo.

A inauguração oficial da unidade será realizada a partir das 17h com a cerimônia transmitida no canal do SENAI RN no YouTube. Os ministros da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, são convidados do evento, além de representantes da Confederação da Indústria (CNI) e do Sistema FIERN.

Mercado

A carteira de projetos do Instituto, explica o diretor, engloba serviços prestados a diferentes elos da cadeia produtiva e já vem atendendo à demanda desde empresas locais até multinacionais.

Em dois anos de operações iniciais, o ISI-ER acumula contratos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) que superam os R$ 20 milhões e os planos, segundo Mello, são de expansão dos projetos na esteira do crescimento do setor e do avanço das energias renováveis na matriz energética nacional.

Um estudo da consultoria GO Associados, divulgado pela Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), aponta que entre 2011 e 2019, apenas o setor eólico investiu R$ 66,9 bilhões no país, considerando as áreas de máquinas e equipamentos, inclusive manutenção e reparos e aquisição de produtos e a contratação de serviços no mercado doméstico.

Fonte: https://www.blogdobg.com.br/