Walter afirma que aliança com PT ou PSDB será decidida em março

Foto: José Aldenir

O noticiário político nacional está bastante agitado, sobretudo para o MDB que, no Rio Grande do Norte, é dirigido pelo deputado federal Walter Alves. O partido convidou o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (sem partido), para se filiar à sigla e ser o vice em chapa com o ex-presidente Lula (PT), para a Presidência da República nas eleições deste ano. Lula anunciou que, em março, baterá o martelo com a decisão final sobre a possível chapa Lula-Alckmin.

Em entrevista ao AGORA RN, nesta terça-feira 15, o deputado federal Walter Alves disse que esse é um momento para agir com “bastante cautela”, sobretudo porque a decisão final do MDB no Estado só será tomada após a formalização das federações no âmbito nacional, que repercutirá nas articulações e alianças políticas que vêm sendo costuradas no Rio Grande do Norte.

“Estamos acompanhando as questões políticas nacionais, que são a formação das federações e, ao mesmo tempo, conversando com os nossos amigos do MDB no Rio Grande do Norte”, destacou Walter.

O deputado federal explicou que o MDB, ao contrário do que se especula nos bastidores da política potiguar, não encerrou as conversas com o Partido dos Trabalhadores no Estado. As articulações começaram em agosto passado, quando o ex-presidente Lula esteve em Natal e sinalizou positivamente para a possibilidade de ter os emedebistas no palanque para a reeleição da governadora Fátima Bezerra.

Uma aliança entre os dois partidos resultaria na chapa majoritária Fátima Bezerra e Walter Alves, que seria completada pela pré-candidatura do ex-senador e ex-ministro Garibaldi Alves Filho, pai de Walter, para a Câmara Federal. “Está tudo indefinido. Mas estamos conversando com o PT e os demais partidos no Rio Grande do Norte”, enfatizou Walter.

“Temos que ter muita cautela nesse momento, porque como fui encarregado da missão de presidir o partido no RN, estamos dialogando com a nossa liderança maior, que é o ex-senador Garibaldi Filho, meu pai, e consultando os prefeitos, vice-prefeitos, vereadores, apoiadores e amigos para, no final de março, tomarmos uma decisão final sobre os rumos que o partido vai caminhar nas eleições”, explicou Walter Alves.

Agora RN / BG