Senador Paul Prates não abre mão do direito de tentar reeleição em 2022

Jean Paul quer continuar no Senado: tem muita ainda para se trabalhar

Por Maricelio Almeida / Repórter do JORNAL DE FATO

O senador Jean Paul Prates (PT) reafirmou, em entrevista ao Foro de Moscow, dos jornalistas Bruno Barreto e William Robson, o seu desejo de ser candidato à reeleição nas eleições gerais de 2022. O parlamentar destacou que não se coloca, no momento, em outra posição, descartando, pelo menos por enquanto, uma eventual candidatura à Câmara dos Deputados. Nas pesquisas de intenção de votos divulgadas até aqui, Jean não tem surgido em colocações de destaque.

“Estou à disposição do partido para ser candidato a esta cadeira. Acho que fiz um bom trabalho, a gente tem se empenhado muito nas discussões nacionais, projetado o nome do Rio Grande do Norte, os nossos setores de desenvolvimento sustentável, a pauta da educação, através de todas as realizações, do complemento dos legados dos mandatos de Fátima (Bezerra). Enfrentamos essa pandemia ajudando o Governo do Estado com a maior parte das nossas emendas, e ajudando no Congresso a criar leis importantes, que complementaram atividades que o Governo Federal infelizmente não exerceu”, disse.

Ainda segundo Jean, um novo mandato no Senado Federal lhe ajudaria a exercer um mandato com mais tranquilidade. “A gente está na pista para o Senado mesmo, eu não vejo outra posição que eu me coloque hoje, tanto no partido, quanto na base, e aí vamos ver as negociações, as conversas, as composições políticas, o que elas podem trazer para nós. Estou muito tranquilo, porque eu não dependo de política em termos financeiros, eu tenho minhas atividades, vou exercer minhas atividades tranquilamente, mas gostaria muito de ter oito anos para trabalhar com muito mais tranquilidade”, pontuou.

O senador destacou também as pautas que o seu mandato tem defendido em Brasília. “Estamos trabalhando na resistência do que a gente considera que é importante, Eletrobras, Petrobras, manter isso para o estado do Rio Grande do Norte e para o Brasil é importante, e estamos trabalhando em projetos que visem valorizar recursos naturais, que é tudo que a gente tem aqui, e que precisamos tratar como fonte de empregos e renda, como a gente fez com o setor eólico, por exemplo”, relatou, acrescentando:

“Turismo é outra coisa que a gente tem trabalhado bastante, a gente fez parte do coro das leis dos eventos, a lei do Pronampe. A gente tem trabalhado intensamente pelo setor econômico, principalmente micro e pequenas empresas, e defendendo também as grandes empresas, que são importantes para o nosso estado, o setor de energia renovável, o setor de turismo, o setor de mineração benfeita, sustentável, o setor do petróleo, com sua a revitalização. Outros setores, como a Educação, também. Tem muita coisa para trabalhar. A gente quer ir muito mais além da questão das emendas. De cada R$ 100 mil de emenda, a gente quer que ela gere R$ 500 mil de retorno para a cidade”, apontou.