Saúde, desemprego e educação foram temas debatidos entre líderes parlamentares

No horário destinado aos líderes de blocos partidários, na sessão remota desta quinta-feira (2), na Assembleia Legislativa, o deputado Ubaldo Fernandes (PL) parabenizou os militares do Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Norte. Ele lembrou que em 2 de julho é comemorado o Dia do Bombeiro Brasileiro. Ao mesmo tempo em que parabenizou, o deputado cobrou do Governo do Estado a nomeação dos aprovados no último concurso público.

“O Estado precisa fazer essa convocação”, alertou Ubaldo, que seguiu seu pronunciamento anunciando para o dia 6, próxima segunda-feira, a realização, por videoconferência, da Jornada em Defesa da Vida dos Idosos, promovida pela Frente Parlamentar do Idoso, a qual ele preside na Assembleia, em parceria com o Conselho Municipal do Idoso, de Natal, quando será lançada a Rede de Proteção ao Idoso.

O deputado Hermano Morais (PSB) debateu sobre os números atualizados do Caged, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, e ressaltou a queda nos números de empregabilidade no Rio Grande do Norte. “A exemplo do País, o Rio Grande do Norte também sofreu perdas em postos formais de emprego”, afirmou o parlamentar. “Se a situação estava difícil, agora está pior”, disse Hermano, lembrando que empresas estão fechando e o auxílio prometido pelo Governo Federal para salvá-las, é liberado com muita lentidão. “Segundo os dados de maio, o Rio Grande do Norte perdeu mais de 3 mil postos formais de trabalho”, relatou o deputado.

Ainda no horário de lideranças, o deputado Getúlio Rêgo (DEM) fez críticas à saúde pública estadual. O parlamentar relatou o caso de uma paciente acometida de obstrução arterial, que não teve o atendimento que precisava no Hospital Ruy Pereira, que tem dedicado o atendimento ao coronavírus. O deputado narrou o sofrimento da paciente que foi atendida no dia 17 de junho e recomendada a permanecer em casa. “Não podemos abandonar as pessoas que estão acometidas de outras doenças”, disse Getúlio, apelando para o Estado não fechar o Ruy Pereira como anunciado antes da pandemia.

Durante o horário de lideranças o presidente da Assembleia Legislativa, Ezequiel Ferreira, lamentou a morte, informada no momento, do ex-deputado federal Wanderley Mariz, e se solidarizou com seus familiares. O deputado Dr. Bernardo também lamentou a morte do ex-parlamentar e reforçou o discurso de críticas à Saúde. Dr. Bernardo reafirmou que em virtude da Covid-19, o Governo não pode deixar pacientes de outras patologias sem atendimento. “Se criou na melhor das intenções um sistema de regulação para evitar que se passe na frente na fila do atendimento, mas às vezes o sistema é deturpado e pacientes estão morrendo”, disse o deputado.

O deputado citou o caso de uma paciente que apontou como vítima da regulação ‘deturpada’, tendo que passar por vários municípios em busca de atendimento. Segundo o deputado, a paciente também não estava com Covid-19 e sofria com outra patologia. “A regulação é necessária para agilizar e não para travar o sistema”, concluiu Dr. Bernardo.

Último líder a se pronunciar, o deputado Francisco do PT se solidarizou com familiares do médico pediatra Paulo Matos, falecido nesta quarta-feira (01), vítima de Covid-19. “É preciso que se refaça a tese definitiva que não se trata de uma gripezinha”, disse o deputado, ressaltando a gravidade da doença provocada pelo coronavírus. “É bom que até 2018 o Estado do Rio Grande do Norte sequer investia o mínimo constitucional de 12% na Saúde”, lembrou o deputado.

O deputado Francisco do PT ainda falou sobre Educação, e cobrou da bancada federal, o debate sobre a renovação do Fundeb. Sem a renovação do Fundeb, segundo Francisco do PT, municípios sofrerão prejuízos em relação aos repasses do setor. O deputado fez um balanço e registrou que em 37 municípios o prejuízo será de 70%; 29 municípios perderão entre 65% e 70%; 126 municípios deixarão de receber entre 40% e 65% e 10% perderão abaixo de 39%. Segundo Francisco do PT, somente Guamaré e Parazinho, que têm recursos de petróleo e eólicas, respectivamente, não sofrerão com a não renovação do Fundeb.