POLÊMICA E O REGISTRO NO ATESTADO DE ÓBITO: 40% das mortes em hospital de covid-19 têm outras causas, diz diretor na BA; denúncia vai ao Conselho Regional de Medicina

Hospital Espanhol, em Salvador - Reprodução/Google Maps
Hospital Espanhol, em Salvador / Foto da Internet

O diretor do maior centro de referência em tratamento de coronavírus no Estado da Bahia, o infectologista Roberto Badaró afirmou ontem que 40% dos óbitos registrados no Hospital Espanhol como covid-19 são decorrentes de outras enfermidades. Após seis anos fechado, o Espanhol foi reaberto pelo Governo da Bahia em abril como unidade exclusiva de tratamento do novo coronavírus, com 220 leitos, 140 deles de UTI, num investimento de R$ 8 milhões.

“Eu vou dar um exemplo simples: no Hospital Espanhol, 40% dos pacientes que eu recebo não têm covid. E morrem. E no atestado de óbito tá lá: covid. Porque tem três campos no atestado de óbito. Ele vem com suspeita de covid, então entra na estatística. É preciso que se veja isso com bastante critério”.

A declaração foi feita durante entrevista ao vivo na Rádio Metrópole FM ontem. Badaró respondia a uma pergunta feita pelo apresentador Mário Kertész sobre os motivos que faziam os registros de casos de coronavírus no Brasil serem cinco vezes maiores que os da Índia, país que tem população quase sete vezes maior que a brasileira. “E do que morrem estas pessoas?”, questionou Kertész. “Do que já morreram sempre. De AVC, doença cardiovascular, diabetes”, respondeu.

UOL