Para quem é ‘favoritíssimo’ nas pesquisas, Lula denota insegurança, diz Constantino

Lula disse que chapa com Alckmin será benéfica para o Brasil / ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que ter o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (sem partido) como seu vice na disputa pela presidência da República será bom para o Brasil e disse esperar que Alckmin se filie a um partido que faça aliança com o PT. “Minha aliança com Alckmin vai ser boa para mim, para Alckmin e, sobretudo, para o Brasil e para o povo brasileiro. É preciso dar tempo ao tempo para saber em qual partido Alckmin vai entrar, ele tem tempo para decidir”, disse Lula.

Durante sua participação no programa 3 em 1, da Jovem Pan, o comentarista Rodrigo Constantino analisou as declarações de Lula sobre a chapa com Alckmin, dizendo que o comportamento do petista contradiz o status de “favoritíssimo” e que ele demonstra insegurança. “Eu enxergo diferente em relação ao excesso de repetição, especialmente da parte do Lula, em relação a essa chapa já formada. Acho que isso denota algum grau de incerteza, de insegurança. Aliás, para alguém que é favoritíssimo nas pesquisas, Lula denota um pouco de insegurança em relação a como vai conseguir concorrer e enganar a classe média. O Alckmin é o ‘carola’ para ajudar o ladrão a entrar na casa. Uma outra metáfora evidente é o cavalo de troia. Alckmin está servindo para enganar trouxa”, analisou Constantino.

Jovem Pan