Fábio Farias, genro de Silvio Santos, diz que adversários querem abater Carlos Bolsonaro por que foi ele quem elegeu o pai para presidente

Carlos Bolsonaro e Fábio Faria, com o sogro, Silvio Santos, Jair Bolsonaro e Léo Índio (Montagem)

Revista Fórum – À frente do recriado Ministério das Comunicações, Fábio Faria (PSD-RN), disse que foi Carlos Bolsonaro quem elegeu o pai e classifica o filho 02 como “um grande ativo” que Jair Bolsonaro tem.

“O Carlos detectou com o pai, quatro ou cinco anos atrás, pessoas que estavam em busca da pauta conservadora nos costumes e liberal na economia. Eles começaram a falar desses temas, Bolsonaro começou a crescer nas redes e passou a reunir pessoas aonde ia. Os adversários querem abatê-lo porque foi ele quem elegeu Bolsonaro. Não tem rede de distribuição em massa, se tivesse isso já teria aparecido. Mas realmente ele incomoda, porque quem não gosta do Bolsonaro sabe que Carlos é um grande ativo que o pai tem”, afirmou em entrevista a Bela Megale e Paulo Celso Pereira na edição deste domingo (26) do jornal O Globo.

Genro de Silvio Santos, Faria minimizou a existência do “gabinete do ódio” dizendo que se trata de pessoas que Bolsonaro conheceu durante a campanha por intermédio do filho.

“O gabinete que vocês falam que tem do lado do presidente é de pessoas que estavam com ele durante a eleição e que cuidam das redes do presidente. As intrigas e guerrilhas virtuais há em todos os lados. Se for tratar nesses termos, todo mundo tem seu “gabinete do ódio” porque todo mundo é atacado diariamente e responde a ataques. Se lá no Planalto existe um “gabinete do ódio”, existem 513 na Câmara e 81 no Senado”, afirmou.

Entre as pessoas que Carlos conheceu e levou para o gabinete do ódio está Tércio Arnaud Thomaz, banido do Facebook por ser um dos principais agente de uma rede de propagação de ódio e fake news e que tem a esposa, Bianca Diniz Arnaud trabalhando na coordenação de Saúde do Palácio do Planalto.

Alçado ao comando da recriada pasta das Comunicações após negociata de Bolsonaro com políticos do Centrão, do qual é parte, Faria diz ainda que o presidente “blindou a Esplanada” e que não há no governo “nenhum ministro que foi indicação do partido”.

“O presidente blindou a Esplanada. Não tem nenhum ministro que foi indicação do partido, isso já o diferencia de todos os presidentes que passaram”, disse Faria, do PSDB, que chegou ao governo como representante do Centrão e pela “experiência” junto a família do sogro, Silvio Santos.