COVID-19: De acordo com análise dos números da Sesap/RN o pico do vírus está descendo, quando observado os resultados das últimas duas semanas

ENTENDA OS NÚMEROS

Com uma melhor observação sobre o aumento dos casos do coronavírus no RN anunciado pela Sesap/RN, os números seriam mais bem avaliados se visto de forma percentual e estatisticamente, sem paixão e sem partidarismo, analisando os percentuais dos casos por semana.

 Analisando as duas últimas semanas dos números apresentados pela Sesap/RN, os números da última semana de maio (cantando do dia 22 a 29) em comparação com a primeira semana do mês de junho, quando contado de 29 de maio a 05 de junho, percebe-se que houve um decréscimo de 5% dos casos.

Explicamos. O percentual dos números, quando comparados de uma semana para a próxima, mostra que o vírus está perdendo força. Nessa análise não foi colocada os números dos mortos, pois em uma sociedade com imunidade mais forte haverá sempre menos óbitos.

No dia 22 de maio (sexta-feira) os números de casos confirmados eram de 4.251 (não se fala dos óbitos), no dia 29 de maio (sexta-feira) estávamos com 6.463 casos positivos, um aumento de mais ou menos 51% dos casos naquela semana.

Na primeira semana de junho, contando do dia 29 de maio até o dia de ontem, 05 de junho, encontramos um total que saiu de 6.463 para 9.444 casos confirmados, parece estranho, mais houve um percentual menor, de apenas 46%. Mostrando que o vírus está recuando em 5% de seu poder de infecção.

Se os números são apenas anunciados analisando os casos apresentados de forma sistemática, sem observar as semanas passadas, contando-se apenas os testes positivos e os óbitos, a sociedade terá sempre a falsa impressão de que o vírus está aumentando. Mas esta forma não está correta.

No RN o que tem acontecido é que o governo do Estado que não adquiriu as UTIs, e algumas prefeituras que não se prepararam para a chegada do vírus, apavorou o povo, apenas de fechando o comércio e fazendo a quarentena que não tiveram sucesso. O Dr. Anthony Wong afirma que essa é uma atitude burra. É ele que diz, e ele é especialista em infecção viral.

Todos os dias estão apenas anunciando os óbitos trazendo terror a população, e contando os contágios como que fosse o fim do mundo, causando doenças psicológicas e desempregos.

Uma incompetência absurda, pois o medo deveria ser a primeira coisa a ser combatida para manter a imunidade das vítimas em alta.

Se estivessem usando as medicações opcionais anunciadas haveria menos pessoas em UTIs e com certeza menos internações. Mas o que acontece é que os pacientes chegam às UPAs e aos hospitais, e não tem medicamentos, nem nada de positivo para salvar suas vidas, trazendo terror as famílias.