Category: Economia

Chevrolet retoma investimento de R$ 10 bi para produzir novo modelo no Brasil

Chevrolet S10 2021 é a primeira picape do país com wi-fi a bordo

CHEVROLET S10 2021 VIRA A PRIMEIRA PICAPE DO PAÍS COM WI-FI A BORDO/ RENYERE TROVÃO

Após o baque sofrido por toda a indústria mundial por conta do novo coronavírus, a Chevrolet anuncia que irá retomar o investimento de R$ 10 bilhões nas fábricas do Estado de São Paulo para a produção de novos veículos sobre a plataforma GEM. A família de mercados emergentes da marca já conta com Onix , Onix Plus e Tracker , mas outros dois modelos devem ser lançados nos próximos anos, com produção dividida entre Brasil e Argentina.

De olho no sucesso da Fiat Toro , a Chevrolet terá uma  picape inédita entre Montana e S10 . Ao lado da futura Volkswagen Tarok, antecipada pela marca alemã no Salão do Automóvel de 2018, o modelo promete colocar fogo em um segmento que só cresce no Brasil.Com a chegada da nova picape da GM, a Montana deverá se despedir do mercado.

Nova picape da GM
Kleber Pinho da SilvaProjeção antecipa possível visual da nova picape da GM, que será feita na mesma plataforma do Tracker

Entre os crossovers, a Chevrolet tem plano de renovar a Spin, mudando seu posicionamento de mercado. A minivan se tornará um crossover , baseado no utilitário Orlando que foi apresentado na China em 2019, com espaço para sete ocupantes. Quando for lançada no Mercosul, a nova Spin será posicionada entre Tracker e Equinox.

Com base nos outros lançamentos feitos sobre a plataforma GEM, pode-se assumir que ambos os modelos terão seis airbags de série, carregador de celular por indução e conectividade Wi-Fi no sistema MyLink. Abaixo do capô, os utilitários terão motores turbo.

Onde serão feitos?

Fábrica
DivulgaçãoOs dois novos lançamentos da marca terão suas produções divididas entre Brasil e Argentina

Apesar da adequação para produzir novos modelos, a Chevrolet ainda não revelou qual deles será feito no Brasil e qual irá para a Argentina . Em fevereiro do ano passado, a marca paralisou a fábrica de Santa Fe, no país vizinho, para adaptar sua linha de montagem à plataforma GEM. Logo, pode-se assumir que o modelo argentino chegará primeiro às concessionárias.

O outro utilitário será alocado em uma das duas fábricas da Chevrolet no Estado de São Paulo, que recebem o aporte bilionário. Dessa forma, o modelo pode ser feito em São Caetano do Sul – ao lado dos irmãos Onix Joy, Montana e Spin –  ou em São José dos Campos – com os utilitários S10 e Trailblazer.

Futuro incerto do Cruze

Cruze
DivulgaçãoDescontinuado em todo o mundo, Chevrolet Cruze logo deverá deixar de ser fabricado na Argentina para dar lugar ao novo modelo

Descontinuado nos Estados Unidos e na China, o Chevrolet Cruze continua sendo produzido na Argentina em suas versões hatch e sedã. A marca ainda não lançou o modelo 2021, revelando que não há pressa em renová-lo.

Com as categorias dos sedãs e hatches médios em baixa e o crescimento do interesse em SUVs por toda a América Latina, tudo indica que o Chevrolet Cruze está próximo do fim. Segundo o site Argentina Autoblog, a marca cogita lançar o chinês Monza para substituir o Cruze em alguns mercados globais. A informação não foi confirmada pela fabricante.

IG Mail

Motores de Taubaté para o mundo: reveja a trajetória da fábrica da Ford na cidade

Inauguração da planta da Ford em Taubaté — Foto: Reprodução/Facebook - Página Resgatando Taubaté, Ontem, Hoje e Sempre
Inauguração da planta da Ford em Taubaté — Foto: Reprodução/Facebook – Página Resgatando Taubaté, Ontem, Hoje e Sempre

Foram 52 anos de história em Taubaté. O último capítulo, entretanto, foi escrito nesta segunda-feira (11): a Ford anunciou o fechamento da unidade no município do Vale do Paraíba. Com a decisão da empresa, 830 funcionários da planta serão demitidos, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos.

Os capítulos anteriores já indicam um possível encerramento da história. A montadora vinha passando por dificuldades diante do cenário econômico e adotou algumas medidas na fábrica em Taubaté, como paralisação da produção, redução de salários e jornadas e demissões. Diante da crise gerada pela pandemia do coronavírus, a montadora norte-americana optou pelo encerramento da produção no Brasil (veja vídeo abaixo).

É o fim de uma planta inaugurada em 1974 e que produziu mais de oito milhões de motores e sete milhões de transmissões para o Brasil e para o exterior. A história da planta tem esses números de produção, mas também é recheada de histórias dos funcionários que passaram por ela ao longo desses 52 anos.

Benedito José de Andrade trabalhando na Ford — Foto: Reprodução/YouTube

Benedito José de Andrade trabalhando na Ford — Foto: Reprodução/YouTube

Chão de terra batida

Benedito José de Andrade, de 66 anos e um dos funcionários da inauguração, é um dos que ajudaram a construir essa história. O ano era 1974. Benedito foi jogar futebol em um campo ao lado onde seria implantada a fábrica da Ford em Taubaté e, logo após o jogo, diz ter recebido o convite para preencher uma ficha de recrutamento para trabalhar na montadora. Ficha preenchida, entrevista feita e a admissão não demorou a vir.

“Foi fácil a entrada [na empresa]. Acho que como estava começando a industrialização, era mais fácil. A Ford, nessa época, ainda era chão de terra batida, algumas áreas já estavam começando até a fazer. O complexo era uma réplica da planta de Ohio [nos EUA]. A fábrica iria fazer motores para o Maveric, no Brasil. Entrei como inspetor de qualidade na empresa e saí como supervisor. Foram 12 anos”, contou Benedito José de Andrade.

Desses 12 anos, Benedito diz guardar boas lembranças. Fato que o faz lamentar o encerramento das operações da fábrica em Taubaté.

“Muito triste essa notícia. A Ford era uma família. Era realmente uma família. Os primeiros americanos que vieram para cá, para implantar a fábrica, foram de uma gentileza total com o povo. A Ford foi como uma família. Estou com 66 anos. Fiquei 12 anos na Ford. Depois de que saí, em 1986, trabalhei em outras 17 empresas. Mas a melhor foi a Ford em todos os sentidos”, disse.

Em 2018, ao completar 50 anos da fábrica em Taubaté, a Ford produziu um vídeo com histórias de funcionários da planta no Vale do Paraíba (veja abaixo).

História

A fábrica de motores e fundição da Ford em Taubaté foi inaugurada oficialmente em 1974. Na solenidade de inauguração, o presidente da empresa na época, Joseph W. O’Neill, anunciou mais de 400 milhões de dólares de novos investimentos na expansão das atividades da empresa no Brasil.

Na década de 1970, a Ford estava em período de expansão no Brasil. O Corcel chegou a 500 mil unidades vendidas em 1976. O Maveric de quatro cilindros, que tinha o motor produzido em Taubaté, também era produzido em São Bernardo do Campo.

Nos anos 1980, o Corcel passou a ser produzido com motor a álcool também. A chegada do Escort também foi um marco para a montadora nessa década. Em 1996, a Ford inaugurou a nova fábrica de transmissões em Taubaté.

Inauguração oficial da Ford em Taubaté em 1974 — Foto: Divulgação/Ford

Inauguração oficial da Ford em Taubaté em 1974 — Foto: Divulgação/Ford

Ainda na década de 1990, no ano de 1999, a fábrica de motores Zetec RoCam foi inaugurada em Taubaté. Foi a primeira do mundo a produzir a nova família de motores.

Em 2004, a fábrica de Taubaté comemorou a produção de um milhão de motores Zetec RoCam. Cinco anos depois, foi inaugurada na planta a linha dos motores Sigma.

A unidade taubateana da Ford atingiu a marca de cinco milhões de motores e quatro milhões de transmissões produzidos em 2011. No ano seguinte, a fábrica chegou ao número de três milhões de motores Zetec Rocam.

Em 2018, quando completou 50 anos, a planta em Taubaté tinha produzido oito milhões de motores e sete milhões de transmissores. Nesses 52 anos de história em Taubaté, destaque para a produção de motores para o Mustang nos Estados Unidos e para o Focus montado na Europa. A planta também produziu peças para vários modelos do Brasil e da América do Sul, como Maverick, F-1000, Escort, Fiesta, Ka, Focus e EcoSport.

G1SP

Preço da cesta básica sobe 19% em 2020 em Natal, diz Dieese

Óleo de cozinha impulsionou aumento no preço da cesta básica — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi
Óleo de cozinha impulsionou aumento no preço da cesta básica — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

O preço da cesta básica subiu 19,55% no ano de 2020 em Natal. É o que aponta a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, que foi divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) nesta segunda-feira (11).

Assim, a cesta básica fechou dezembro de 2020 em Natal custando R$ 458,79. Em dezembro de 2019, um ano antes, ela custava R$ 383,76.

Apesar da alta, Natal foi a terceira capital com o menor aumento entre as 17 federações analisadas pelo órgão. Abaixo, ficaram apenas Recife (19,20%) e Curitiba (17,76%). O maior aumento foi em Salvador: 32,89%.

Mesmo com o aumento e chegando a R$ 458,79 no valor total, Natal fechou o ano passado como a segunda capital com o menor preço da cesta básica. Entre as capitais analisadas, apenas Aracaju tem a cesta mais barata: R$ 453,16.

Entre os produtos da cesta básica, o que teve o maior aumento foi o óleo de cozinha de 900 ml em 2020. Ele custava R$ 4,16 no fim de 2019 e fechou o ano passado custando em média R$ 8,73, um aumento de 109,86%.

O segundo maior aumento foi o do arroz (3,6 quilos), subindo 84,20% em um ano – saindo de R$ 11,20 para R$ 20,63.

Dos 12 produtos da cesta básica, 11 tiveram alta. Além do óleo de cozinha e do arroz, subiram também o açúcar (33,48%), o leite (28,31%), o feijão (27,98%), o pão (20,99%), a carne (18,84%), a farinha (17,92%), o tomate (9,68%), a manteiga (8,57%) e o café (3,39%).

O único produto que caiu de preço foi a banana (-7,51%), saindo de R$ 29,03 para 26,85 (7,5 dúzias).

Banana foi o único produto que teve queda em Natal — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Banana foi o único produto que teve queda em Natal — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Em Natal, o Dieese estima que a jornada de trabalho necessária para comprar a cesta básica, baseado no salário mínimo, é de 96 horas e 35 minutos. O percentual do salário mínimo líquido para compra dos produtos da cesta é 47,46%.

G1RN

Hospital do Coração em Natal é vendido a grupo empresarial

Hospital do Coração, em Natal (Arquivo) — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi
Hospital do Coração, em Natal (Arquivo) — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Após cerca de dois anos de negociação, o Hospital do Coração – um dos maiores hospitais privados de Natal – foi vendido para a Humana Saúde, do grupo Athena Saúde, segundo confirmou a empresa em comunicado à imprensa. Os valores negociados na compra não foram divulgados.

De acordo com o comunicado, o contrato foi assinado no dia 30 de dezembro. O grupo empresarial ainda informou que não haverá nenhuma alteração no corpo clínico e nos serviços prestados e o médico Nelson Solano deverá permanecer na direção do hospital.

“Ressaltamos ainda que o hospital continuará atendendo e fortalecendo a parceria com todos os convênios, ampliando seus serviços e oferecendo uma medicina especializada e de excelência para a saúde potiguar”, informou a empresa no comunicado.

O hospital foi fundado no início dos anos 2000 por médicos cardiologistas potiguares, mas ampliou seu atendimento a várias outras especialidades.

Com a venda, o Hospital do Coração passa a integrar a Athena Nordeste, juntamente com a Humana Saúde, Medplan, grupo Medimagem, Unihosp e o Hospital Centro Médico Maranhense.

G1RN

Caixa abre 16 agências neste sábado (19) para pagamento do auxílio emergencial no RN

Agência da Caixa em São Gonçalo do Amarante será aberta neste sábado (19) — Foto: Quézia Oliveira/Inter TV Cabugi
Agência da Caixa em São Gonçalo do Amarante será aberta neste sábado (19) — Foto: Quézia Oliveira/Inter TV Cabugi

Dezesseis agências da Caixa vão abrir neste sábado (19) no Rio Grande do Norte para atendimento a beneficiários do Auxílio Emergencial e do Auxílio Emergencial Extensão nascidos em janeiro e fevereiro dos ciclos 5 e 6. O horário de funcionamento será das 8h às 12h.

A Caixa informa que todas as pessoas que procurarem atendimento durante o funcionamento das agências serão atendidas, e que não é preciso chegar antes do horário de abertura.

Foram creditados R$ 4,3 bilhões para um público de 6,5 milhões de pessoas em todo o país. Desse total, R$ 3,9 bilhões são referentes às parcelas do Auxílio Emergencial Extensão e o restante, R$ 400 milhões, às parcelas do Auxílio Emergencial.

As agências que serão abertas no RN são:

  • Assú
  • Caicó
  • Ceará-Mirim
  • Goianinha
  • João Câmara
  • Macaíba
  • Mossoró (Centro)
  • Mossoró (Ilha de Santa Luzia)
  • Natal (Cidade Alta)
  • Natal (Av. Dr. João Medeiros Filho)
  • Natal (Av. das Fronteiras)
  • Parnamirim
  • Pau dos Ferros
  • Santa Cruz
  • São Gonçalo do Amarante
  • São José de Mipibu

G1RN

Auxílio Emergencial: Caixa Econômica Federal inicia pagamento do último ciclo neste domingo

Foto da Internet

Cerca de 6,5 milhões de beneficiários do ciclo seis nascidos em janeiro e fevereiro estão recebendo neste domingo (13) R$ 2 bilhões em suas contas poupança sociais digitais.

Desse total, 126,7 mil receberão R$ 76 milhões referentes às parcelas do auxílio emergencial, de R$ 600,00 – R$ 1,2 mil para mães solteiras.
Os demais, 6,4 milhões, receberão as parcelas do Auxílio Emergencial extensão de R$ 300 – sendo R$ 600,00 para mães solteiras -, em um montante de R$ 1,93 bilhão.

A partir de hoje, os valores podem ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem para pagamento de boletos ou nas casas lotéricas, compras pela internet e pelas maquininhas de estabelecimentos comerciais.
Saques e transferências para quem recebe o crédito hoje serão liberados no próximo sábado (19).

O depósito na conta poupança digital para trabalhadores informais ocorrerá gradualmente até o próximo dia 29.
O dinheiro será liberado conforme o mês de nascimento do beneficiário, frisa matéria publicada pela página virtual da Agência Brasil.

Com aumento de 30% em 12 meses, preço médio da cesta básica chega a R$ 455,43 em novembro em Natal

Pão foi produto com maior alta de preços no mês de novembro em Natal — Foto: Alceu Nievola/RPC Ponta Grossa
Pão foi produto com maior alta de preços no mês de novembro em Natal — Foto: Alceu Nievola/RPC Ponta Grossa

Com aumento de 30,91% em 12 meses, o preço médio da cesta básica vendida em Natal chegou a R$ 455,43 em novembro, segundo pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Na comparação somente com outubro de 2020, o aumento foi de 4,27%.

Apesar de um aumento superior a 4% no mês, a capital potiguar ainda teve a quinta menor variação positiva entre as 17 capitais pesquisadas pela instituição. Somente a cidade de Recife teve redução no período (-1,3%).

Comparados os preços somente dentro de 2020, de janeiro a novembro, a cesta básica de Natal teve crescimento de 18,68%, segundo o Dieese.

Ainda de acordo com o Dieese, os produtos com maior alta de preço médio em relação a outubro, na capital potiguar, foram: pão (8,07%), carne (7,26%), arroz (6,11%), óleo (4,98%), açúcar (3,93%), manteiga (2,63%), feijão (1,96%), tomate (1,91%), café (1,31%) e leite (1,26%).

Pesaram menos no bolso do consumidor natalense apenas a banana (-5,95%) e a farinha (-3,29%).

Na comparação com novembro de 2019, os produtos que mais tiveram aumento foram o óleo, que mais que dobrou de preço (107,43%), o arroz (81,31%), o tomate (59,835), o feijão (45,19%) e a carne (35,98%).

Ainda de acordo com o Dieese, um trabalhador que ganha um salário mínimo precisa de uma jornada de 95 horas e 53 minutos apenas para comprar a cesta básica. O valor da cesta na cidade corresponde a 47,12% do salário mínimo.

G1RN

Auxílio Emergencial: Caixa paga nova parcela a 5,2 milhões nesta sexta

Caixa libera novo saque do auxílio emergencial neste sábado
Foto da Internet

G1RN – A Caixa Econômica Federal (CEF) paga nesta sexta-feira (27) mais uma parcela do Auxílio Emergencial a 5,2 milhões de trabalhadores.

Aos trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, o pagamento já é referente à 3ª parcela de R$ 300 do benefício. Nesta sexta, recebem 1,6 milhão de trabalhadores cujo número do NIS encerra em 9.

Entre os demais trabalhadores, estão 3,4 milhões que vão receber uma parcela do Auxílio Emergencial extensão, de R$ 300. Outros 200 mil ainda vão receber alguma das parcelas de R$ 600. Os pagamentos desta sexta são para nascidos em abril.

Para os trabalhadores fora do Bolsa Família, a ajuda paga nesta sexta será creditada em conta poupança social digital da Caixa, que poderá ser usada inicialmente para pagamento de contas e compras por meio do cartão virtual. Saques e transferências para quem receber o crédito nesta sexta serão liberados no dia 6 de janeiro (veja nos calendários mais abaixo).

VEJA QUEM RECEBE NESTA SEXTA:

  • 1,6 milhão de trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, cujo número do NIS encerra em 9, recebem a 3ª parcela de R$ 300
  • 200 mil trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em abril, recebem a próxima parcela de R$ 600:
    – aprovados que já receberam 4 parcelas recebem a quinta parcela;
    – aprovados que já receberam 3 parcelas recebem a quarta parcela;
    – aprovados que já receberam 2 parcelas recebem a terceira parcela;
    – aprovados que já receberam 1 parcela recebem a segunda parcela.
  • 3,4 milhões de trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em abril, recebem a próxima parcela de R$ 300:
    – trabalhadores que já receberam as 5 parcelas de R$ 600 recebem a primeira de R$ 300
    – trabalhadores que já receberam 1 parcela de R$ 300 recebem a segunda parcela de R$ 300
    – trabalhadores que já receberam 2 parcelas de R$ 300 recebem a terceira parcela de R$ 300

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

Calendários de pagamento

Veja abaixo os calendários de pagamento.

BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA

Auxílio Emergencial - Beneficiários do Bolsa Família — Foto: Economia G1

Auxílio Emergencial – Beneficiários do Bolsa Família — Foto: Economia G1

Auxílio Emergencial: Caixa paga nova parcela a 4,9 milhões nesta segunda

Confira as datas para o pagamento da nova fase do Auxílio Emergencial de R$ 300,00
Confira as datas para o pagamento da nova fase do Auxílio Emergencial de R$ 300,00

Caixa Econômica Federal (CEF) paga nesta segunda-feira (23) mais uma parcela do Auxílio Emergencial a 4,9 milhões de trabalhadores.

Aos trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, o pagamento já é referente à 3ª parcela de R$ 300 do benefício. Nesta segunda, recebem 1,6 milhão de trabalhadores cujo número do NIS encerra em 5.

Entre os demais trabalhadores, estão 3,1 milhões que vão receber uma parcela do Auxílio Emergencial extensão, de R$ 300. Outros 200 mil ainda vão receber alguma das parcelas de R$ 600. Os pagamentos desta segunda são para nascidos em fevereiro.

Confira as datas para o pagamento da nova fase do Auxílio Emergencial de R$ 300,00

Para os trabalhadores fora do Bolsa Família, a ajuda paga nesta segunda será creditada em conta poupança social digital da Caixa, que poderá ser usada inicialmente para pagamento de contas e compras por meio do cartão virtual. Saques e transferências para quem receber o crédito nesta segunda serão liberados no dia 19 de dezembro (veja nos calendários mais abaixo).

VEJA QUEM RECEBE NESTA SEGUNDA:

  • 1,6 milhão de trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, cujo número do NIS encerra em 5, recebem a 3ª parcela de R$ 300
  • 200 mil trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em fevereiro, recebem a próxima parcela de R$ 600:
    – aprovados que já receberam 4 parcelas recebem a quinta parcela;
    – aprovados que já receberam 3 parcelas recebem a quarta parcela;
    – aprovados que já receberam 2 parcelas recebem a terceira parcela;
    – aprovados que já receberam 1 parcela recebem a segunda parcela.
  • 3,1 milhões de trabalhadores do Cadastro Único e inscritos via site e app, nascidos em fevereiro, recebem a próxima parcela de R$ 300:
    – trabalhadores que já receberam as 5 parcelas de R$ 600 recebem a primeira de R$ 300
    – trabalhadores que já receberam 1 parcela de R$ 300 recebem a segunda parcela de R$ 300
    – trabalhadores que já receberam 2 parcelas de R$ 300 recebem a terceira parcela de R$ 300

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

G1RN

Prazo para pagar penúltima parcela do IPVA 2020 vence segunda (16)

Prazo para pagamento da penúltima parcela do IPVA 2020 vence na próxima segunda (16). — Foto: SET-RN/Divulgação
Prazo para pagamento da penúltima parcela do IPVA 2020 vence na próxima segunda (16). — Foto: SET-RN/Divulgação

O prazo para o pagamento da quarta parcela do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2020 termina na próxima segunda-feira, 16 de novembro. Essa é a penúltima parcela do imposto, que teve o prazo de vencimento adiado do primeiro para o segundo semestre deste ano em função da pandemia.

A regra é válida para todos os automóveis, motocicletas e demais veículos cujos proprietários optaram pelo parcelamento. O vencimento desse boleto independe do número final da placa.

A guia de pagamento pode ser gerada de duas formas: pelo aplicativo Nota Potiguar ou pelo site do Detran-RN, pela opção “consulta de veículos e boletos”. O pagamento pode ser realizado nas agências do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, correspondentes Pagfácil, Lotéricas, Caixas Eletrônicos e Internet Banking.

Os contribuintes que começaram a pagar as parcelas no primeiro semestre mas não conseguiram quitá-las, podem retomar o pagamento de acordo com o novo calendário, que vai até 15 de dezembro, sem acréscimos.

Fonte: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/

Retomada: Serviços crescem 6,7% em setembro no RN

Comércio do Alecrim, Natal, RN — Foto: Pedro Vitorino/Cedida
Comércio do Alecrim, Natal, RN — Foto: Pedro Vitorino/Cedida

O volume de serviços do Rio Grande do Norte cresceu 6,7% em setembro, na comparação com agosto, e ficou acima da média nacional. A variação positiva do estado foi a quarta maior entre os estados. Por outro lado, na comparação com o mesmo período de 2019, houve queda de 13,2% – a quinta maior do Brasil. Já no comércio, o registro foi de redução das vendas na comparação com agosto e aumento na comparação com o ano passado.

Os dados são das pesquisas mensais de Serviços e Comércio, do IBGE, divulgadas nesta quinta-feira (12). No acumulado de janeiro a setembro, o Rio Grande do Norte teve a terceira maior perda de volume de serviços entre os estados brasileiros: 17%. No período, houve diminuição do volume de serviços em 26 das 27 unidades da federação. Rondônia foi a única a apresentar crescimento (3,4) e os estados da Bahia (-18,4) e Alagoas (-19,4) acumularam as maiores perdas.

No comparativo entre setembro e agosto de 2020, porém, a variação positiva do estado ficou atrás apenas do Piauí (11,9%), Mato Grosso do Sul (9,1%) e Roraima (8,4%). As demais unidades da federação também apresentaram crescimento do volume de serviços em setembro, com exceção apenas do Rio de Janeiro (-0,5%) e do Tocantins (0,0%), o que resultou em alta de 1,8% no índice de volume de vendas do Brasil – a quarta consecutiva.

Já na comparação com setembro de 2019, o resultado negativo do estado só não foi maior que Pernambuco (-15,6%), Bahia (-16,7%), Alagoas (-17,5%) e Sergipe (-18,4%).

Varejo do RN cai 0,5%

O comércio varejista potiguar diminuiu 0,5% em setembro na comparação com agosto, segundo o IBGE. O resultado foi abaixo da média do Brasil, que teve variação positiva de 0,6% no mês. Em comparação com o mesmo mês de 2019, entretanto, as vendas do varejo subiram 3,8% no Rio Grande do Norte.

No acumulado de janeiro a setembro de 2020, a perda no volume de vendas somou 5,8% em comparação com o mesmo período de 2019, enquanto o índice de receita nominal teve retração de apenas 0,3%.

Varejo ampliado

Já o comércio varejista ampliado do Rio Grande do Norte teve crescimento de 0,5%; e a média nacional foi de 1,2% no mês de setembro em comparação a agosto. Considerando o mesmo mês do ano anterior, o volume de vendas no varejo ampliado 5,8% no estado – variação abaixo da média nacional, que foi de 7,4%.

Além do varejo, o comércio varejista ampliado é composto pelos segmentos de material de construção e “veículos e motocicletas, partes e peças”.

G1RN

Pagamento do 13º salário deve injetar R$ 2,4 bilhões na economia do RN, diz Dieese

Pagamento do 13º salário deve injetar R$ 2,4 bilhões na economia do RN, diz Dieese — Foto: Reprodução/TV Integração
Pagamento do 13º salário deve injetar R$ 2,4 bilhões na economia do RN, diz Dieese — Foto: Reprodução/TV Integração

Até dezembro de 2020, o pagamento do 13º salário tem o potencial de injetar R$ 2,4 bilhões na economia do Rio Grande do Norte. O levantamento foi divulgado nesta quarta 9110 pelo Dieese.

Este montante representa aproximadamente 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado e será pago aos trabalhadores do mercado formal, inclusive aos empregados domésticos; aos beneficiários da Previdência Social e aposentados e beneficiários de pensão da União e dos estados e municípios.

O número de pessoas que receberá o 13º no estado foi estimado em 1,114 milhão, equivalente a 1,4% do total que terá acesso ao benefício no país. No estado, os empregados do mercado formal, celetistas ou estatutários representam 55,3%, enquanto pensionistas e aposentados do INSS equivalem a 44,7%. O emprego doméstico com carteira assinada responde por apenas 1,3%.

De acordo com o levantamento do Dieese, a distribuição dos valores por segmento é a seguinte:

  • Empregados formalizados ficam com 64% (R$ 1,5 bilhão)
  • Beneficiários do INSS ficam com 23,1% (R$ 554,3 milhões),
  • Aposentados e pensionistas do Regime Próprio do estado ficam com 11,5% (R$ 276,2 milhões)
  • Aposentados e pensionistas do Regime Próprio dos municípios ficam com 1,4%, R$ 33,7 milhões.

Fonte: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte

Preço da cesta básica sobe 3,42% no mês de outubro em Natal; aumento no ano é de 13,81%

Óleo de cozinha impulsionou aumento no preço da cesta básica — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi
Óleo de cozinha impulsionou aumento no preço da cesta básica — Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi

O preço da cesta básica aumentou 3,42% em Natal no mês de outubro em comparação com o mês de setembro. No ano, esse crescimento é de 13,81%.

Os dados estão na Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos publicada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na sexta-feira (6).

De acordo com a pesquisa, no mês de outubro, a cesta básica custou R$ 436,76 na capital potiguar. A cesta básica aumentou em 15 capitais do país neste período.

Apesar do crescimento, o preço de Natal é o menor entre as 17 capitais analisadas na pesquisa. São Paulo tem a cesta básica com o maior custo: R$ 595,87.

O aumento no mês de outubro é impulsionado principalmente pela alta no valor do tomate, que foi de 43,92%, do óleo, que aumentou 11,35%, e também do arroz, que subiu 9,67%.

Subiram de preço também a farinha (2,97%), a manteiga (0,74%) e a carne (0,54%).

Segundo a pesquisa, nesse período, 12 quilos de tomate passaram de R$ 30,60 para R$ 44,04 em outubro. Uma garrafa com 900 ml de óleo passou de R$7,40 para R$ 8,24. Um pacote com 3,5 kg de arroz subiu de R$ 17,17 para R$18,83.

Por outro lado, caíram de preço o leite (-2,66%), o açúcar (-2,44%), o pão (-2,19%), o feijão (-1,30%), a banana (-0,56%) e o café (-0,19%).

Segundo o Diese, o valor cobrado em uma cesta básica em Natal representa 45,18% do salário mínimo líquido e o trabalhador precisa exercer sua função por 91 horas e 57 minutos para poder comprá-la.

G1RN

Em Natal, custo da cesta básica chega a R$ 422,31 em setembro e acumula alta de 19,7% em um ano

Arroz e óleo de soja, produtos essenciais na cesta básica, registram elevação nos preços  — Foto: Reprodução/Rede Amazônica
Arroz e óleo de soja, produtos essenciais na cesta básica, registram elevação nos preços — Foto: Reprodução/Rede Amazônica

O valor da cesta básica chegou a R$ 422,31 em setembro, em Natal, de acordo com levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A variação foi de 0,68% em relação ao mês anterior, mas o preço dos produtos já acumula alta 10,05% em 2020 e de 19,78% nos últimos 12 meses.

Os produtos com alta de preço médio em setembro, em relação a agosto, foram: óleo (39,62%), arroz(18,33%), carne (6,50%), manteiga (5,83%), leite (4,72%), açúcar (2,14%), farinha (1,51%). A alta do óleo foi a maior do Brasil.

Já os produtos com redução de preço médio em relação a agosto foram o tomate (-20,81%), banana (-16,33%), café (-1,83%), pão (-1,59%) e feijão (-1,14%).

Apesar da alta dos preços, a capital potiguar teve um aumento menor que a maioria das capitais pesquisadas, em setembro, ficando acima apenas de Brasília (0,56%). Em 12 meses, o aumento do estado ficou acima apenas da capital federal (6,13%) e São Paulo (18,89%).

De acordo com o Dieese, o trabalhador que ganha um salário mínimo precisa trabalhar, em média, 88 horas e 55 minutos para poder adquirir os produtos da cesta básica. O valor da cesta representa 43,69% do salário.

G1RN

Caixa abre 16 agências neste sábado para atender beneficiários do auxílio emergencial e FGTS no RN; veja lista

Caixa abre 16 agências neste sábado para atender beneficiários do auxílio emergencial e FGTS no RN — Foto: Lucas Cortez/Inter TV Cabugi
Caixa abre 16 agências neste sábado para atender beneficiários do auxílio emergencial e FGTS no RN — Foto: Lucas Cortez/Inter TV Cabugi

Dezesseis agências da Caixa no Rio Grande do Norte serão abertas neste sábado (3), das 8h às 12h, para atendimento a beneficiários do Auxílio Emergencial e do Saque Emergencial do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).

Os beneficiários nascidos em maio poderão sacar o Auxílio Emergencial em dinheiro e os trabalhadores nascidos em junho poderão retirar em espécie os valores referentes ao Saque Emergencial do FGTS.

A Caixa informou que todas as pessoas que procurarem atendimento durante o funcionamento das agências serão atendidas e que não é preciso chegar antes do horário de abertura.

Veja quais agências vão funcionar neste sábado (3):

  • Assu
  • Caicó
  • Ceará-Mirim
  • Goianinha
  • João Câmara
  • Macaíba
  • Mossoró (Centro)
  • Mossoró (Ilha de Santa Luzia)
  • Natal (Cidade Alta)
  • Natal (Potengi – Avenida João Medeiros Filho)
  • Natal (Potengi – Avenida das Fronteiras)
  • Parnamirim (Centro)
  • Pau dos Ferros
  • Santa Cruz
  • São Gonçalo do Amarante (Av. Tomaz Landim)
  • São José de Mipibu

Auxílio Emergencial

Ao todo, no sábado, terão sido pagos R$ 218,3 bilhões do Auxílio Emergencial para 67,7 milhões de brasileiros. Os ciclos de crédito em conta e saques em espécie seguem até dezembro para o pagamento das cinco parcelas definidas pelo governo federal para o público do CadÚnico e para quem se cadastrou pelo App CAIXA | Auxílio Emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

Saque Emergencial do FGTS

No total, 60 milhões de trabalhadores já têm acesso ao valor global de até R$ 37,8 bilhões do Saque Emergencial do FGTS. A partir deste sábado, os trabalhadores nascidos em junho que tiveram o crédito do Saque Emergencial do FGTS e que não movimentaram a conta Poupança Social Digital ou que tenham saldo remanescente já poderão sacar o benefício em dinheiro. Também será possível transferir os valores, via aplicativo Caixa Tem, para outra conta, da Caixa ou de outras instituições financeiras.

Fonte https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte