Archive for setembro 28th, 2021

Nise Yamaguchi nega ter relações com a Prevent Senior e diz que não elaborou ‘tratamento precoce’

Nise Yamaguchi foi interrogada pela CPI no início de junho

A médica Nise Yamaguchi negou ter relações com a operadora de planos de saúde Prevent Senior, que vem sendo acusada de encobrir mortes de pacientes durante estudos para verificar a eficácia do chamado ‘kit covid’, até fraudando certidões de óbito.

Yamaguchi foi citada em dossiê feito por médicos que trabalharam para a Prevent Senior como uma das pessoas que haviam elaborado o ‘tratamento precoce‘ aplicado.

O documento também diz que a médica visitava os hospitais para acompanhar casos especiais, como os do médico Anthony Wong, outro grande defensor do tratamento precoce, o de Regina Hang, mãe do empresário Luciano Hang e o de Enio Mainardi, publicitário e pai do jornalista Diogo Mainardi. Os três teriam morrido por causa da Covid-19 e tido suas certidões de óbito fraudadas para que outra causa aparecesse.

Em nota oficial, Nise afirmou que visitou Anthony Wong e Enio Mainardi em hospitais da Prevent Senior na condição de amiga dos dois e que não teria participado da corpo de médicos responsável pelos casos. Também disse nunca ter conhecido Regina Hang. “Ressalto que nunca fui pessoalmente à Prevent Senior participar de reuniões científicas ou buscar dados dos tratamentos ali realizados. E em nenhum momento orientei qualquer tratamento que seja a ser adotado por aquela entidade. O meu conhecimento a respeito dos dados técnicos da referida entidade e que me foram úteis nos meus estudos, apenas e tão somente, foram obtidos com as informações públicas e conversas entre especialistas”, afirma a médica na nota.

Nise também diz que não havia um “gabinete paralelo” que recomendasse a adoção do tratamento precoce para o governo federal, acusação que vem sendo apurada pela CPI da Covid-19 no Senado – segundo ela, a presidência apenas convidou-a para dar sua opinião e ela foi ouvida com “atenção e simplicidade”. Também voltou a relembrar a passagem pela CPI em 2 de junho, reafirmando que teve os “direitos desrespeitados e a honra vilipendiada” pelos senadores. “Tenho recebido inúmeras manifestações que mostram a indignação de muitos brasileiros pela forma eu e muitos médicos com renomados currículos e notória experiência, estão sendo tratados e sofrendo brutais interferências no que diz respeito a relação médico paciente em relação aos tratamentos orientados a nossos pacientes de Covid-19”, relatou a médica na nota.

Jovem Pan

Prevent buscou ‘gabinete paralelo’ e Ministério da Economia por ‘pacto’ anti-lockdown, diz advogada

Advogada de médicos da Prevent Senior, Bruna Morato depôs nesta terça-feira, 28, à CPI da Covid-19

Em depoimento à CPI da Covid-19, a advogada Bruna Morato, que defende 12 médicos e ex-médicos da Prevent Senior que elaboraram um dossiê com denúncias sobre as práticas da empresa, afirmou, nesta terça-feira, 28, que a direção da operadora de saúde procurou o “gabinete paralelo” e o Ministério da Economia para elaborar um “pacto” anti-lockdown que não prejudicasse a situação econômica do país. “Segundo informações que os meus clientes me repassaram, o Pedro Batista Júnior foi informado de que existia um conjunto de médicos assessorando o governo federal que tinha conexão com as ideias defendidas pelo Ministério da Economia. Existia um plano para que as pessoas pudessem sair às ruas sem medo”, disse a depoente. A primeira tentativa de aproximação teria como alvo o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. De acordo com a advogada, porém, o titular da pasta, que deixou o cargo em abril de 2020, “não deu essa abertura”.

No dia 31 de março do ano passado, Mandetta criticou, em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, o Sancta Maggiore, que pertence à operadora. Ele afirmou que havia uma taxa alta de mortes de idosos no hospital, acrescentando que estudava a possibilidade de realizar uma intervenção nas unidades da empresa. O ministro deixou o Ministério da Saúde no dia 16 de abril, envolto em discordâncias com o presidente Jair Bolsonaro, dentre as quais relacionadas, justamente, ao “tratamento precoce”. Os médicos responsáveis pela interlocução entre a Prevent e o governo federal, disse Bruna Morato, eram Nise Yamaguchi e Anthony Wong, além do virologista Paolo Zanotto. Os três são apontados como principais integrantes do gabinete paralelo. Zanotto, inclusive, sugeriu ao presidente da República que o Palácio do Planalto criasse um “shadow cabinet” (gabinete das sombras, em tradução livre). “Havia um alinhamento ideológico porque diziam que a economia não podia parar. Eles [o governo] tinham que conceder esperança para que as pessoas pudessem sair às ruas. E essa esperança tinha nome: hidroxicloroquina”, afirmou a advogada.

Na oitiva, Bruna Morato também afirmou que os médicos da Prevent Senior não tinham autonomia para trabalhar. A afirmação representa um contraponto ao que foi dito, na semana passada, por Pedro Batista Júnior, diretor-executivo da operadora. De acordo com o dossiê enviado à CPI, ao qual a Jovem Pan teve acesso, a orientação partia da cúpula da empresa. “Pessoal, boa noite. Bom plantão a todos e enfatizo a importância da prescrição da flutamida 250mg para todos os pacientes que internarem. Estamos muito animados com a melhora dos pacientes. Obrigado a todos”, escreveu o médico cardiologista Rodrigo Esper, da Prevent, em um grupo de WhatsApp. A advogada também destacou que os pacientes não sabiam que seriam feitos de “cobaias”. “O médico falava para o paciente idoso que tinha um tratamento bom e que ia começar”. Diziam: ‘Se você quiser participar desse tratamento, precisa do ok’. Mas eles não sabiam que seriam feitos de cobaia”, relatou. Responsável por receber o dossiê contra a Prevent, o senador Humberto Costa (PT-PE) afirmou que o depoimento da advogada foi “devastador” e “demolidor”. “Vossa senhoria está fazendo um bem ao Brasil e à saúde pública desse país. A senhora e os médicos que a escolheram como patrona desta causa. Eu tenho esperança e certeza de que nós não vamos deixar isso impune”, avaliou o petista.

A depoente também disse que Anthony Wang e Regina Hang, mãe do empresário bolsonarista Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, foram submetidos ao uso de medicamentos comprovadamente ineficazes para o tratamento da doença. Em um vídeo divulgado em suas redes sociais, porém, Hang, que irá depor nesta quarta-feira, 29, afirma que sua mãe poderia ter sido salva se tivesse utilizado o “kit-Covid”. “Segundo consta no prontuário, ela [Regina] fez uso do tratamento preventivo. A prescrição é que ela recebeu previamente os medicamentos”, contou. “A evolução do prontuário mostra que ela foi internada por Covid e todas as doenças que ela teve em decorrência foram registradas”, acrescentou.

De acordo com Morato, o atestado de óbito de Regina foi manipulado, porque foi omitida a menção ao coronavírus como doença inicial. “A declaração de óbito e a certidão e óbito possuem a mesma informação. Contudo, destoam da orientação do Ministério da Saúde que deveria ter Covid-19 como doença inicial”, explicou. O caso de Wong, de acordo com a versão apresentada aos senadores, é ainda mais grave. Infectado com a doença, ele teria sido internado em uma ala destinada a pacientes com cardiopatias. Esta seria uma forma de tentar maquiar o número real de pacientes com coronavírus atendidos nas unidades da Prevent Senior.

Intervenção de governista causa bate-boca 

Uma declaração do senador Marcos Rogério (DEM-RO), parlamentar governista, causou um bate-boca na sessão. O aliado do Palácio do Planalto afirmou que a CPI da Covid-19 deveria ouvir os médicos que elaboraram o dossiê e não a advogada que os representam. “Me parece estar sendo arrastada para a CPI uma disputa trabalhista. É um desvio de finalidade do papel da CPI”, afirmou. “Os médicos não vieram por quê?”, questionou o político do DEM.

O vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), reagiu: “Disputa trabalhista? O que temos aqui é o depoimento de uma chacina. Olha o nível do governo: acha disputa trabalhista na morte de pessoas”. O senador Fabiano Contarato (Rede-ES), delegado da Polícia Civil, ironizou a fala do colega. “O senador Marcos Rogério faltou à aula de processo penal. Existem testemunha direta e indireta. O senhor faltou à aula de processo penal”, afirmou.

O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), garantiu a palavra à depoente, que respondeu a Rogério: “Essa descompsotura que o senhor tem na tentativa de desqualificar a denúncia só mostra que vocês não têm condição técnica para tentar contestar os fatos”.

Jovem Pan

Ezequiel encaminha manutenção de leitos de UTI no Hospital Regional de Apodi

Nesta terça-feira (28), o deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, voltou a encaminhar o pleito pela manutenção dos 5 leitos de UTI no Hospital Regional Hélio Morais Marinho, localizado no município de Apodi, atualmente destinados exclusivamente para tratamento de pacientes com Covid-19. Segundo o prefeito de Apodi, Alan Silveira (MDB), depois da articulação do deputado Ezequiel, a Secretaria Estadual de Saúde se mostrou sensível à demanda, mas pontuou a necessidade orçamentária para que os leitos sejam mantidos.

Hoje o prefeito de Apodi e uma comissão de vereadores composta por Adailton Targino, Charton Rego e Railton Diógenes foram recebidos pelo secretário chefe da Casa Civil do Governo do Estado, Raimundo Alves, ocasião em que o deputado Ezequiel Ferreira retomou o pleito que atenderá não só a cidade de Apodi mas outras cidades da região beneficiando uma população estimada em 80 mil pessoas.  O governo do Estado dará andamento na avaliação do pleito.

“Durante a atual pandemia, o Hospital Regional Hélio Morais Marinho teve uma grande importância na estratégia de urgência e emergência na assistência da população, visto que tiveram momentos em que os leitos foram absorvidos por cidades de quatro regiões diferentes. Para manter o Hospital Regional em plena atividade, é necessário a manutenção desses leitos e a substituição deles para leitos de UTI gerais”, disse Ezequiel Ferreira.

Ainda de acordo com o parlamentar, a manutenção destes leitos de UTI, agora classificados como leitos gerais, “é de fundamental importância para a cidade de Apodi e para a segunda regional de saúde”. Os equipamentos estão desafogando os leitos do Hospital Tarcísio Maia, em Mossoró, assim como também o hospital regional de Pau dos Ferros.

Coronel Azevedo fala sobre Governo Federal após mil dias de trabalho

Durante seu pronunciamento na Sessão Ordinária desta terça-feira (28), na Assembleia Legislativa, o deputado Coronel Azevedo (PSC) parabenizou o presidente Jair Bolsonaro pelos mil dias de governo, mencionando ações positivas na áreas Social, de Segurança Pública e de Saúde. 

“É um governo sério, que fez a diferença, dando exemplo para o mundo no enfrentamento à pandemia, implantando um programa emergencial que já beneficiou mais de 68 milhões de brasileiros”, iniciou. 

Segundo o parlamentar, o atual Governo Federal também tem se destacado na Saúde, com os repasses de recursos para os estados e municípios enfrentarem a Covid-19. “Inclusive, o próprio RN, que somente em 2020 recebeu mais de R$ 1 bilhão de recursos extras, segundo o relatório do Tribunal de Contas do Estado, divulgado em março deste ano”. 

Sobre a Segurança Pública, Azevedo disse que Bolsonaro reduziu em 20% os homicídios em 2019, além de ter feito entregas ao RN “nunca vistas antes”.  

Na sequência, o deputado comentou a atual gestão do governo estadual. 

“Eu também quero destacar que infelizmente, no Estado, nós temos o oposto. Durante a pandemia, nós tivemos as escolas fechadas, e agora que as aulas deveriam voltar, os prédios estão sem condições de funcionar, por problemas estruturais. Diferentemente, o governo federal acelerou as obras públicas, a exemplo da Reta Tabajara, Barragem de Oiticica e Transposição do São Francisco, que deve ficar pronta no primeiro trimestre de 2022”, detalhou.  

Ele citou ainda ações dos ministérios de Desenvolvimento Regional e das Comunicações. “Ontem eu estive acompanhando o ministro Rogério Marinho em entregas do Ministério de Desenvolvimento Regional, em Mossoró e localidades próximas, na zona rural. Além disso, o ministro Fábio Faria também tem feito várias entregas com o Programa Wi-fi Brasil, levando inclusão digital e social para 10 milhões de pessoas”, ressaltou.

Governo assina ordem para instalar 635 poços em municípios com escassez hídrica

SANDRO MENEZES / ASSECOM-RN

A governadora Fátima Bezerra assinou nesta segunda-feira (27) Ordem de Serviço para a instalação de 320 poços já perfurados pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) em diversos municípios do Rio Grande do Norte. Os trabalhos terão início na segunda-feira (4/9) e a meta é instalar pelo menos dois poços por dia, outros 52 estão aptos a receber bombas para entrarem em funcionamento.

A situação de emergência por desastre natural climatológico, em virtude da estiagem prolongada, provocou a redução das reservas hídricas no Estado. Fátima Bezerra explicou que a ação do governo visa justamente se antecipar aos efeitos prejudiciais decorrentes da estiagem.  “Tivemos, infelizmente, irregularidade nas chuvas deste ano. Nossa expectativa era uma e o desfecho foi outro. Portanto, vamos fazer um trabalho completo. Cada poço perfurado, será um poço instalado”, explicou a governadora Fátima Bezerra.

Até 2022 deverão ser instalados por todo o Rio Grande do Norte 635 poços. Para isso, serão investidos RS 15 milhões entre recursos do Governo do RN, uma Emenda Parlamentar (EP) do senador Jean Paul Prates no valor de RS 2,85 milhões e outra EP da deputada Natália Bonavides no valor de RS 350 mil.

A governadora enfatizou que levar água à população dos municípios que estão em situação de escassez hídrica é uma ação de grande importância para a gestão e que não se trata de uma política pública qualquer. “Ao longo da minha vida eu tive momentos de falta d’água. Sei bem o que é isso e sei a diferença que isso faz na vida das pessoas”, afirmou.

“Este é momento que estava sendo bastante aguardado: a colocação das bombas para que o governo leve água às comunidades carentes de recursos hídricos como os assentamentos, comunidades quilombolas e indígenas”, disse o secretário da Semarh, João Maria Cavalcanti.

O diretor da empresa Construindo LTDA, Gilsenor Luiz, garantiu que as instalações dos poços serão feitas no prazo previsto. “No que depender de nossos esforços, o cronograma será cumprido”.

Também acompanharam a assinatura o coordenador de Hidrogeologia da Semarh, Ivan Fioravante; coordenadora de Mobilização Social da Semarh, Lyana Silva Gomes; Gilsenou Luiz de Oliveira e Roberto Miranda, diretor e gerente da empresa Construhindo.

RN+ÁGUA

A perfuração de poços pela Semarh no Rio Grande do Norte faz parte do programa RN+Água. A iniciativa contempla ainda diversas outras ações a fim de ampliar o acesso a água, como: a instalação e manutenção de dessalinizações e barragens subterrâneas, elaboração de projetos de saneamento rural e promoção da educação ambiental.

O RN + Água representa um esforço institucional integrado – envolvendo Caern, Sedraf, Sape, Idema e Igarn – sob a coordenação da Semarh.

A ideia é priorizar o consumo humano e promover ganhos sociais e econômicos para as populações rurais e urbanas do Estado, beneficiando mais de 320 famílias.

São contempladas prioritariamente as populações residentes em áreas de vulnerabilidade hídrica, atendendo a assentamentos, remanescentes quilombolas, comunidades indígenas e rurais.

rn.gov.br

Lula e Ciro receberam quase R$ 1 milhão de salários de seus partidos desde 2019

Rompidos desde 2018, Lula e Ciro Gomes se reúnem em São Paulo e selam a paz  - ISTOÉ Independente
Foto da Internet

No período de 2019 a 2021, políticos sem cargo eletivo receberam salários e tiveram despesas com publicidade e advogados custeadas por seus partidos.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Ciro Gomes, ambos com nomes cotados para as eleições presidenciais de 2022, receberam juntos, um total de quase R$ 1 milhão de seus partidos em pouco mais de dois anos.

O ex-presidente Lula consta como funcionário do Partido dos Trabalhadores (PT) no detalhamento de despesas do partido no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e recebe, atualmente, cerca de R$ 22 mil por mês de salário. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann não aparece na lista de pagamento da sigla, pois já ocupa um cargo eletivo.

Outro presidenciável, Ciro Gomes, também recebe salário como funcionário do Partido Democrático Trabalhista (PDT), no valor de R$ 21,3 mil mensais. O valor é superior ao do presidente do partido, Carlos Lupi, que tem um salário de R$ 19,2 mil.

Lula e Ciro Gomes também utilizam os recursos de seus partidos para a elaboração de publicidade.

Além dos presidenciáveis, outro nome que se destaca entre aqueles contratados por seus partidos é o do ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Ao contrário de Lula e Ciro, Jefferson não aparece como funcionário na prestação de contas, mas como prestador de serviços técnicos, pelos quais recebe R$ 23,2 mil mensais.

CNN detalhou como a verba do Fundo Partidário foi usada nos últimos anos pelos principais partidos e nomes do pleito eleitoral brasileiro.

A constatação é de que fundações ideologicamente ligadas às legendas são as que mais recebem os valores. Além disso, escritórios de advocacia e empresas de marketing também estão no topo da lista. Salários para os presidentes dos respectivos partidos e nomes conhecidos de cada legenda também ocupam lugar de destaque na lista.

Os gastos dos fundos partidários

Em comum no topo dos gastos da verba de fundo partidário, estão as fundações que estão ideologicamente alinhadas com as siglas.

O PT, por exemplo, mantém a Fundação Perseu Abramo, que tem como presidente o ex-ministro Aloizio Mercadante. A atuação da organização está direcionada para a formação política, no sentido de capacitar gestores públicos de esquerda. Entre 2019 e 2021, o Partido dos Trabalhadores desembolsou R$ 48,7 milhões em despesas com a fundação.

O Partido Social Liberal (PSL), ex-partido do presidente Jair Bolsonaro, declarou, entre 2019 e 2021, despesas de R$ 57,6 milhões com o Instituto de Inovação e Governança, presidido por Luciano Bivar, que também preside o partido.

A Fundação Ulysses Guimarães é quem mais recebe verbas do fundo partidário do partido MDB. Presidida pelo ex-ministro do governo Michel Temer, Wellington Moreira Franco, a organização atua no sentido de fornecer cursos para o desenvolvimento democrático do país, segundo consta no próprio site e recebeu, desde 2019, R$ 29,4 milhões do partido.

A mesma situação se repete em diversos partidos, como o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que gastou R$ 29 milhões com o instituto Teotônio Vilela, de 2019 a 2021.

Já o Partido Social Democrático (PSD), que teve despesas de R$ 30,5 milhões com a Fundação Espaço Democrático no período, e até mesmo o Novo, partido que afirma não usar recursos públicos, gastou R$ 7,1 milhões do Fundo Partidário para custear a Fundação Brasil Novo entre 2019 e 2020, instituição dirigida pelo presidente do partido, Eduardo Ribeiro.

Em nota, Ciro afirmou que “dedica-se às atividades do PDT como vice presidente e pré-candidato do partido. A legislação brasileira é muito clara quanto a legalidade da remuneração deste tipo de atividades. Ciro tem pautado sua vida pelo zelo com a coisa pública, renunciou a três aposentadorias que teria direito (como governador, prefeito e deputado) e nunca foi processado por corrupção”.

A assessoria de imprensa do PT também se manifestou, em nota. Leia abaixo:

Esclarecimentos sobre a matéria “Lula e Ciro receberam quase R$ 1 milhão de salários de seus partidos desde 2019”

1)   A destinação de 20% dos recursos do Fundo Partidário à Fundação Perseu Abramo é feita pelo PT obedecendo ao percentual mínimo fixado na Lei Orgânica dos Partidos. É assim com todas as fundações partidárias, não somente a do PT, mas isso não foi registrado na matéria.

2)   Os pagamentos pelos serviços jurídicos do Escritório Teixeira Martins são feitos com recursos próprios arrecadados pelo PT, conforme consta na prestação de contas do partido à Justiça Eleitoral, mas não foi registrado na matéria. O PT não usa recursos do Fundo Partidário para esta destinação.

3)   O PT voltou a contratar o ex-presidente Lula como dirigente remunerado (ele é presidente de honra do partido) desde janeiro de 2020. Além da comunicação regular à Justiça Eleitoral destes pagamentos legais e legítimos, o PT deu divulgação pública ao fato ainda em dezembro de 2019.

4)   O serviços do fotojornalista Ricardo Stuckert e de todos os profissionais e empresas de comunicação que prestam serviços ao PT são remunerados mediante contrato, prestação de contas e comprovação de serviços, tudo regularmente informado à Justiça Eleitoral.

5)   Todos estes esclarecimentos poderiam ter sido previamente prestados à CNN, caso a Assessoria de Imprensa do PT tivesse sido consultada como sempre foi, exceto neste episódio que destoa do relacionamento correto e profissional da emissora

6)   No que diz respeito ao PT, a reportagem comete erros e segue a linha de escandalizar a utilização legal de recursos do Fundo Partidário, que consideramos a maneira mais democrática de financiar a atividade e funcionamento dos partidos, prevista na Constituição. O contrário disso seria a privatização da atividade política.

CNN

Bolsonaro diz que Forças Armadas não cumprirão ordens absurdas de ninguém, nem mesmo se partissem da parte dele

O presidente Jair Bolsonaro ao lado dos ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Paulo Guedes (Economia), em evento que marcou os primeiros mil dias de seu governo

Na manhã desta segunda-feira, 27, em cerimônia de lançamento do crédito Caixa Tem — que possibilitará a contratação de empréstimos entre R$ 300 e R$ 1000 pelo aplicativo Caixa Tem — o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) discursou, no Palácio do Planalto, sobre os mil dias de seu governo, celebrados hoje. Ele falou sobre diversos pontos de sua gestão, as críticas recebidas, o corpo de ministros, a pandemia da Covid-19 e sua relação com as Forças Armadas, destacando que o seu governo tem mais ministros militares que os governos de Castelo Branco e João Figueiredo. “As Forças Armadas estão aqui a meu comando. Se eu der uma ordem absurda elas vão cumprir? Não, nem a mim e nem a governo nenhum. As Forças Armadas têm que ser tratadas com respeito”, afirmou.

Bolsonaro defendeu seus ministros e também a gestão das críticas que vem recebendo, em relação à inflação e alta do dólar. “Mil dias de governo com uma pandemia que, muitos acham que o que acontece hoje, no tocante à economia, inflação, preços de combustíveis e alimentos, entre outros problemas, estão acontecendo porque eu sou o presidente e não, em grande parte, pelo que nós passamos e ainda estamos passando. Notícia de agora, ainda não confirmei, mas o gás no Reino Unido teve 300% de reajuste; o combustível nos Estados Unidos, esse eu estive lá, 40%. E alguns podem falar: o que nós temos a ver com o que acontece em outro país? O mundo todo está conectado. Uma decisão minha, uma fala minha equivocada ou distorcida, o que é muito comum, mexe com a Bolsa, mexe com o preço do dólar”, declarou.

“Alguns acham que eu tenho o poder de decidir as coisas dentro da Petrobras. Nos Estados Unidos ninguém culpa o governo por tudo o que acontece nos combustíveis. Aqui o grande acionista é o governo federal mas temos normas, temos regras, tem lei da paridade e tantas e tantas outras coisas”, argumentou Bolsonaro especificamente sobre a alta da gasolina nos postos de combustíveis brasileiros. Segundo o presidente, as críticas que recebe da população são fruto de julgamentos precipitados, antes das pessoas saberem o que realmente acontece na política. “Há uma passagem bíblica: por falta de conhecimento, o meu povo pereceu. Nós temos que ter conhecimento do que está acontecendo antes de culpar quem quer que seja. Só assim nós podemos ter soluções para o nosso Brasil”, disse. O presidente ainda anunciou que vai viajar, a partir desta terça-feira, 28, para várias cidades do Brasil, fazendo entregas de obras e “mostrando o que está acontecendo”.

Em comparações indiretas, sem citar os nomes de outros políticos, Jair Bolsonaro disse que o país poderia estar numa situação mais difícil caso ele não tivesse sido eleito em 2018. “Não pensem que o que acontece com certos países do mundo não pode acontecer com o Brasil. Quem diria nos anos 1990 que a riquíssima Venezuela fosse chegar a situação que chegou hoje em dia? Se a facada fosse decisiva, naquele momento, é só imaginar quem estaria no meu lugar. O perfil dessa pessoa, o seu alinhamento com outros países do mundo, em especial aqui da América do Sul. Onde nós estaríamos agora?”, questionou. Ele também lembrou os escândalos de corrupção de governos anteriores. “Quando se fala em mil dias sem corrupção, eliminou-se a corrupção? Obviamente que não. Podem acontecer problemas em alguns ministérios? Pode, mas não será da nossa vontade, vamos buscar maneiras de apurar o caso e tomar as providências cabíveis com outros poderes sobre aquele possível ato irregular. Mas diminuiu muito a corrupção no Brasil”, disse. “Estamos sobrevivendo, estamos vencendo. Se eu errar, pessoal, vocês pagam a conta”.

Bolsonaro ainda falou sobre as acusações de “atos antidemocráticos” e defendeu que, na verdade, o que faz e diz é em defesa da liberdade. “Ninguém mais do que eu defende a liberdade de todos. Se eu fosse contra a vacina, Paulo Guedes não teria assinado a medida provisória de dezembro do ano passado, destinando R$ 20 bilhões pra comprar a vacina. Mas a vacina não pode ser obrigatória. Ainda é um grande incógnita. Prato feito para a imprensa dizer que sou negacionista. Mas, a liberdade, ou você tem ou não tem. E nós temos, cada vez mais, que garantir isso. Se o outro cara, que ficou em segundo lugar, estivesse aqui ele já teria imposto o passaporte da vacina no Brasil. Não tem coisa mais importante que a liberdade para todos nós”.

Jovem Pan

‘Não seria conveniente iniciar impeachment de Bolsonaro neste momento’, diz Michel Temer

O ex-presidente Michel Temer (MDB) avalia que não seria conveniente iniciar neste momento um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Ele ressalta que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid pode concluir que o presidente teve “incúria” no combate à covid-19, o que eventualmente pode levar o Ministério Público a pedir o afastamento de Bolsonaro. Entretanto, Temer acredita que o momento não é o ideal para este processo.

“Se você me perguntasse um ano atrás, eu diria que talvez fosse o caso de começar um impedimento. Nesse momento, eu não acho adequado”, disse ele, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 27. Segundo Temer, o processo de impedimento é “traumático” e, com o mandato de Bolsonaro já em estágio adiantado, esse efeito se ampliaria.

Temer disse que o impeachment, por passar pelo Congresso, é um processo mais político do que jurídico e que, por isso, não consegue avaliar se Bolsonaro cometeu ou não crimes. “Não há condições para avaliar sobre o foco jurídico, porque o foco é sempre político”, afirmou.

Estadão Conteúdo/BG

Para Grande Natal, Ezequiel solicita ações em segurança, educação e infraestrutura

Crédito da Foto: João Gilberto

O município de Extremoz, localizado na Grande Natal, deve receber investimentos em segurança, educação, infraestrutura e recursos hídricos. Uma série de requerimentos com estes objetivos foram apresentados pelo deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte.

No primeiro documento, o parlamentar solicita o aumento do efetivo policial para o bairro de São Miguel Arcanjo, localizado em Extremoz. “É uma das principais reivindicações da população, haja vista que o número de agentes está  reduzido, além de não possuírem condições adequadas de trabalho, devido à falta de equipamentos”, alertou Ezequiel.

Além da segurança pública, o deputado também reivindica mais atenção com a educação, solicitando a reforma da Escola Estadual Lígia Navarro, no mesmo município. Ezequiel requer a inclusão do colégio citado em um programa estadual voltado para a construção, reforma e ampliação de escolas. “São ações deste nível que contribuem para a evolução do ensino potiguar nas camadas sociais mais carentes”, completa.

Na área de recursos hídricos, o presidente da Assembleia solicita a perfuração e instalação de poços tubulares com “o objetivo de prevenir os problemas que poderão surgir, caso o colapso no abastecimento d‘água da cidade continue sob ameaça”. O pedido é direcionado para beneficiar as comunidades de Santa Murici, Vila de Fátima e Estivas, todas am Extremoz. 

Ezequiel Ferreira também solicita a recuperação asfáltiva da rodovia RN-305, no trecho que liga a BR-101 Norte ao Distrito de Capim, em Extremoz. No local, “os estragos são visíveis, vez que a estrada se encontra em situação precária, com muitos buracos, o que torna o trecho da estrada intransitável, acarretando em grandes transtornos à população, prejudicando também o tráfego de veículos e o desenvolvimento”.

O último ofício tem como objetivo a realização de um convênio entre a Prefeitura de Extremoz e o Governo do Estado para a pavimentação de ruas da comunidade do Km 23. “O Governo do Estado precisa levar investimentos como drenagem e pavimentação de ruas no interior, que irão contribuir para valorização dos imóveis e para integração da comunidade”, finalizou.

Futuro monumento turístico e religioso de Touros é tema de audiência pública na AL

Crédito da Foto: João Gilberto

A tarde desta segunda-feira (27) na Assembleia Legislativa foi marcada pela audiência pública intitulada “Alto do Bom Jesus: a importância do monumento para o desenvolvimento turístico de Touros”. De iniciativa do deputado Subtenente Eliabe (SDD), o encontro objetivou divulgar a obra e buscar mais apoiadores para a causa. 

“Eu tive a oportunidade de estar em Touros, reunido com a associação, para ter clareza da importância deste monumento que será erguido em homenagem a Bom Jesus dos Navegantes. Essa ação terá uma importância enorme do ponto de vista religioso, econômico e social, fomentando o Turismo não apenas na cidade de Touros, mas de todo o RN”, iniciou o parlamentar.  

Segundo Eliabe, ao conhecer o projeto, ele percebeu sua grandiosidade.  “Esta obra é um sonho da população, que está próximo da sua concretização. Eu vi o entusiasmo das pessoas. É um empreendimento que vale a pena e merece todo nosso apoio”, disse o parlamentar, incentivando todos a conhecerem e se tornarem parceiros do projeto. 

Iniciando os discursos da Mesa dos Trabalhos, a vice-presidente da Associação Alto Do Bom Jesus (Abomje), Rosângela Sá, destacou que o projeto se concretizará numa área de 10 mil metros quadrados, pertencente ao assentamento São Sebastião, chamada de Morro Vermelho, a qual será cedida pelo Incra.  

“Essa área agora vai poder abrigar o monumento não apenas da forma que pensamos ele hoje, mas também o quanto ele crescer junto com a cidade daqui a alguns anos. Porque, podem ter certeza: haverá Touros antes e depois do Alto do Bom Jesus. Santa Cruz é um exemplo disso”, explicou. 

De acordo com Rosângela, também não se pode esquecer do potencial turístico, cultural e religioso de Touros.  

“A procissão do Bom Jesus dos Navegantes já levou mais de 15 mil pessoas ao município, num único dia, antes da pandemia. E foi justamente esse potencial que fez surgir a ideia da criação desse monumento na cidade. Os seus 30 mil habitantes têm esse sonho há mais de vinte anos. E chegou a hora de concretizarmos”, disse. 

Segundo a vice-presidente da Abomje, são necessários R$ 11 milhões para concluir as obras. “E esse preço é muito baixo, se levarmos em conta tudo que cada deputado da nossa bancada federal pode contribuir”, disse, convocando os parlamentares a se unirem em prol da ação. 

Ela falou ainda que o projeto irá contribuir para o desenvolvimento de toda a região do Mato Grande. “A obra irá melhorar a vida das pessoas ao redor, promover justiça social, integrar a região às outras mais desenvolvidas do Estado. Então, nós temos que arregaçar as mangas e construir o maior potencial turístico de desenvolvimento local”, concluiu. 

Na sequência, Edileuza Torres, presidente da Abomje, convidou todos a se tornar parceiros do projeto. 

“Como já foi dito, a obra irá beneficiar não somente Touros, mas também as cidades vizinhas e o Rio Grande do Norte como um todo, ajudando a alavancar o Turismo Religioso do nosso Estado. Portanto, eu convido os empresários, a bancada estadual, federal e municipal para abraçar essa causa com a gente”, enfatizou. 

Em seguida, representando o prefeito Pedro Filho, o secretário de Administração de Touros, Ricely Jerônimo, garantiu que o município vem sendo um grande apoiador da causa, “que é um retrato da nossa fé e de um futuro melhor para a Economia da nossa cidade”. 

“A gente espera que surjam novos padrinhos e que eles possam entender que ganharemos muito com essa obra, no que se refere ao Turismo e às ações sociais e educacionais”, complementou. 

Por fim, ele lembrou que “o prefeito de Touros está à disposição para colaborar no que for possível com essa ação que trará tantos benefícios à população”, frisando que a obra não é do município, mas do povo. 

Para Ana Matilde, secretária de Turismo da cidade, o monumento será extremamente relevante para o desenvolvimento da atividade turística de Touros, sobretudo a religiosa. “O prefeito está de portas abertas para contribuir com o desenvolvimento dessa obra, e nós estamos trabalhando na parte de divulgação e planejamento, a fim de concretizá-la da melhor forma”, finalizou. 

O vereador Thiago Farias, presidente da Câmara Municipal de Touros, também externou seu total apoio à causa, falando das suas articulações com deputados estaduais, a fim de angariar recursos e unir forças em prol do objetivo comum. 

“Nós sabemos dos inúmeros benefícios que esse empreendimento irá trazer não apenas para Touros, mas para toda a região do Mato Grande. Portanto, iremos lutar incansavelmente até que essa obra se conclua. Quero lembrar que Touros hoje é um polo turístico, pesqueiro e agrícola. E com esse empreendimento, podemos ser ainda mais conhecidos como um polo religioso do nosso Estado”, destacou. 

De acordo com o Padre William Lamarck, da paróquia de Bom Jesus dos Navegantes, o Alto será uma referência religiosa para toda a região.  

“Este sonho, que era do povo de Touros, está se tornando uma realidade para todos nós, do Rio Grande do Norte. Nós olhamos para Santa Cruz e observamos uma cidade antes e outra depois da imagem de Santa Rita de Cássia. E assim acontecerá conosco, talvez até em maior grau”, opinou. 

Segundo o pároco, no dia 1º de dezembro de cada ano, pessoas de todas as regiões do Estado se deslocam para a procissão do Divino Bom Jesus dos Navegantes.  

“Já existe uma grande quantidade de fiéis que vai a Touros todos os anos participar do nosso evento. E essas pessoas também sonhavam com esse projeto. Então, nós estamos aqui para pedir apoio a cada um dos deputados, para que possamos dar continuidade ao nosso projeto. E nós iremos lutar e batalhar com muita força e união para alcançar o nosso objetivo”, garantiu. 

Ao final, o Subtenente Eliabe se comprometeu a divulgar a importância da obra para os demais parlamentares, lembrando que já há uma série de requerimentos e projetos de lei favoráveis à sua execução. 

“Assim que eu tiver novas informações, irei repassar a todos vocês. E eu também queria informar a todos que vou apresentar o título de reconhecimento de utilidade pública estadual da Abomje, a fim de fortalecer e potencializar ainda mais a iniciativa”, concluiu.